sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

De passagem por... Florianópolis

Fui a Floripa ano passado para participar de um simpósio sobre literatura e informática que estava ocorrendo na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Com isso acabei aproveitando a cidade somente no final de semana, mas ainda assim deu pra ver bastante coisa! Confira abaixo!


- Top 5:
  1. Camarão, camarão, camarão!!!! hahaha Mentira, os peixes também são muito bons, assim como tudo o que vem do mar. Inclusive, Floripa é a maior produtora de ostras do Brasil e é possível comê-las de diferentes formas por preços ridículos (nos locais certos, claro).
  2. Por estar em uma ilha, há praias para tudo quanto é lado - e de tudo quanto é tipo: praias calmas ou com ondas altas ótimas para surf; praias de acesso fácil ou acessíveis somente por trilhas no meio da mata; praias com infra-estrutura turística ou semi-desertas... Escolha sua praia e aproveite! 
  3. Distância pode ser um problema. São 65km entre a Praia Brava (extremo norte) e a Praia dos Naufragados (extremo sul), por exemplo. O centro histórico fica no meio da ilha, longe de qualquer praia boa. Assim, aconselho que se hospede perto de alguma e vá a pé para ela, pois...
  4. Transporte é O problema da cidade. Táxis são absurdamente caros, o transporte público é confuso de ser entendido e a falta de linhas às vezes te "obriga" a fazer um city tour pela ilha. Alugar um carro parece interessante, mas tenha em mente que as ruas de acesso às praias são poucas e quase sempre de mão única; no verão são kms de engarrafamento. A solução adotada por muitos? Bicicleta. Bom que lá tem muita ciclofaixa!
  5. Falando em ruas de acesso, foi a primeira vez que vi na vida uma rua com três faixas, sendo a do meio reversível dependendo do horário! Assim, para a ida às praias do sul, de manhã temos duas pistas e para a volta à tarde, também duas. É uma boa gambiarra, mas infelizmente não resolve o problema do trânsito.
- Dicas de passeio:

Bom, como precisava ir à UFSC todo dia, fiquei hospedada num hotel pertinho do campus, o Slaviero (muito bom por sinal, recomendo!). O ponto negativo foi mesmo a distância das praias, mas como o clima de dezembro é péssimo para isso (muita chuva e tempo nublado, fiquem sabendo!), acabou que nem daria para ir pras praias se elas fossem perto mesmo.

Me lembro que um dia à noite durante a semana, fomos ao Villa do Camarão, localizado na Avenida Afonso Delambert Neto, perto da Lagoa da Conceição. Essa avenida possui inúmeros bares, pubs, danceterias e restaurantes, é certamente um point da vida noturna de Floripa.


No sábado, fomos à Praia da Armação de táxi, fica no sul da ilha a aproximadamente 20km da UFSC. A infra-estrutura turística é bem pouca, o que faz a praia ser bem vazia. Há um pouquinho de comércio, mas bem pouco - um restaurante (Sabor do Mar, uma delícia o camarão empanado!), uma sorveteria (muito boa também), uma igreja, algumas lojinhas, um posto dos bombeiros e é isso. Se não acredita veja aqui! hehehe Mas a praia é muito gostosa e ainda conta com uma ilhota com pedras e uma vista linda! Valeu a pena o passeio!


No domingo fomos à Praia Joaquina, à Lagoa da Conceição e almoçamos na Barra da Lagoa. Tudo de carona com uma amiga de um dos pesquisadores do simpósio, viva! A Praia Joaquina fica a aproximadamente 15km da UFSC, no leste da ilha. É uma praia muito bonita e que possui uma infraestrutura muito boa para turistas, com estacionamento, barracas na praia, restaurantes, artesanato etc. Tinha muitos surfistas quando fomos, pois as ondas estavam bem altas, devido ao tempo nublado/chuvoso. De lá fomos para o Mirante do Morro da Lagoa da Conceição, tirar algumas fotos. O local conta com um restaurante, uma lanchonete e lojas de artesanato. Pode-se também pagar para se ter uma foto profissional com a lagoa de fundo. Finalmente, fomos almoçar num local muito gostoso na Barra da Lagoa, chamado Tempero da Ilha. Mais camarão empanado, claro, à beira de um canal super tranquilo.


No último dia, como meu vôo era à tarde, fui de manhã ao centro histórico dar umas voltas. Peguei um ônibus em frente ao Shopping Iguatemi e desci no Terminal de Integração do Centro (TICEN), praticamente em frente ao Mercado Público. O mercado não é muito grande, mas é possível encontrar artesanato e muitos peixes e frutos do mar. Então fui para a Praça XV de Novembro, ver a Figueira Centenária e visitar a Catedral Metropolitana de Florianópolis. De lá fui a pé andando pela orla até voltar ao hotel (aprox. 8km), a caminhada foi intensa mas deu pra ver de perto a ponte Hercílio Luz, um dos cartões postais de Floripa, assim como a cidade do lado do continente. Infelizmente a "praia" que se forma entre a ilha e o continente é muito poluída, imprópria para uso humano... Mesmo assim ela é bem bonita e há uma ótima pista de caminhada na orla.


Bom, creio que sejam essas minhas dicas acerca de Floripa. Só não falei sobre meus treinos de arco e flecha com a Academia SCAM, na própria UFSC, mas esse assunto merece um post a parte... hehehe ;)

Marque sua passagem por aqui!