quarta-feira, 6 de agosto de 2014

De volta ao tempo das cartas... - 25 Antes dos 25

E chegou a hora de falar sobre a 9ª coisa da minha lista: trocar correspondência regularmente com alguém. No meu caso, convidei minha tia Myrian para participar desta experiência comigo que vem rendendo ótimos frutos... espero que ela também concorde! rs

Bom, a idéia toda surgiu a partir de um sinete na verdade. Fiquei louca com um modelo que vi em Veneza, mas infelizmente não pude comprá-lo porque estava com o dinheiro super contado nessa viagem. Voltando ao Brasil, como sinetes não são algo muito comum, os modelos que achei eram simples e ainda mais caros do que esse italiano. Já estava quase desistindo quando um amigo de trabalho disse que tinha feito um para ele, com um cilindro de latão, uma fresadora e um programa tipo AutoCad só que pra fresadora (esqueci o nome). É claro que na hora implorei pra ele fazer um sinete pra mim e o melhor é que pude gravar meu próximo monograma, ao invés de ter um com símbolos, tudo por um preço bem bacana!


Com o sinete em mãos, pensei: “Agora preciso começar a enviar cartas!”. Mas eu queria ir além dos cartões tradicionais de Natal, queria de fato mergulhar em uma experiência que permitisse conhecer o outro e a mim também. E é aí que minha tia Myrian entrou na jogada, não somente porque ela é uma pessoa muito querida, mas também porque mora em outra cidade, o que torna nosso contato mais difícil - mesmo com telefone e internet não é a mesma coisa...

É claro que a experiência não seria possível se ela não gostasse de escrever cartas, portanto acredito que essa é uma conquista tanto minha como dela.  Já estamos nos correspondendo faz uns 4 meses e te garanto que não há sensação melhor do que chegar em casa, olhar a caixa do correio e ter uma cartinha esperando por você... É tão gostoso ficar sabendo assim das novidades de alguém querido! Além disso, eu particularmente acho que ao escrever para alguém podemos refletir de modo mais profundo sobre os mais variados temas, nos abrindo e também conhecendo mais sobre a outra pessoa... Algo que um simples telefone ou email provavelmente não dará conta de fazer.


Certamente estou crescendo muito com essa experiência e espero que ela esteja sendo tão interessante para minha tia quanto para mim (quem sabe não se torne um hábito com o passar dos anos?). Recomendo a todos trocar cartas regularmente com alguém ou fazer qualquer outra atividade similar que busque o conhecimento do outro de modo mais profundo. Sinto que a cada dia que passa temos mais conhecidos, mas conhecemos menos sobre eles - seja por falta de tempo, de interesse ou porque o mundo anda cada vez mais individualista, corrido e superficial. E não acho que isso deveria ser assim, muito pelo contrário. Quem sabe então esse post não inspire mais pessoas a agirem de modo diferente? Espero que sim! :)

ps: a pedido dessa minha tia, vou atualizar a listagem dos 25 Antes dos 25 de forma a incluir também as coisas que ainda não fiz ou fiz mais não consegui arranjar tempo de escrever! Espero matar a curiosidade dela e a de quem também estivesse no mesmo barco! hehehehe ;)

Marque sua passagem por aqui também!

  1. Sempre me correspondi com amigos, primas, namorado, familiares, em tempos onde essa era quase que a única maneira de se ter noticias um do outro. Telefonemas eram caros, e nem imaginávamos que algo como a internet faria parte da nossa vida (e olha que não sou tão velha assim). E me emocionei quando, depois de anos, na caixa de correio tinha uma... carta!!! Uma sensação deliciosa, que talvez alguns nunca tenham vivenciado. Obrigada por me proporcionar isso, Leticia!!! E da minha parte, essa nossa experiência vai longe!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também senti o mesmo quando vi que você tinha me respondido tia! E que bom saber que nossa experiência ainda renderá muitos, muitos frutos... ;)

      Excluir